terça-feira, 26 de novembro de 2013

Tenho medo de acreditar nos sentimentos que as pessoas dizem ter por mim. Insegurança ? Talvez sim, mas acredito que o que fala mais alto seja o receio de me machucar mais uma vez. Sou campeã nisso. Sou muito intensa. Comigo é oito ou oitenta, exatamente como diz o ditado. Não aceito ser meio termo de ninguém, assim como ninguém é meio termo meu. Ou é tudo, ou é nada. Costumo me atirar de cabeça nos relacionamentos e, consequentemente, acabo me machucando por isso. Esse é o meu pior defeito. Confio demais nas pessoas e principalmente no que as pessoas dizem pra mim. Sou carente ao extremo. Me agrado com qualquer palavra bonita acompanhada do pronome possessivo “meu” e suas derivações, não deveria, mas sou assim. Hoje estou um pouco mais acostumada a viver sem as pessoas, a não depender delas. Queria que tudo fosse mais fácil, sabe ? Principalmente em relação a sentimentos. Às vezes damos muita importância a quem não merece um pingo dela. Outras vezes, ignoramos, deixamos de lado as pessoas que, se nós permitíssemos, nos fariam um bem enorme, que estão ali, do nosso lado, mas não queremos ver, por conta de gostar demais de quem não nos fará falta mais pra frente. Precisamos rever os valores, tratar as pessoas como elas nos tratam, exatamente como elas nos tratam. Parar de correr atrás de quem nos trata mal, não está nem aí pra gente e resolve correr atrás quando vê que está nos perdendo. Cansei de cair nesse joguinho, não caio mais, e se eu sofrer mais pra frente, de que importa ? Ninguém sabe o que eu sinto dentro do peito. Sabem meu nome, não a minha vida, muito menos os sentimentos que se passam por aqui.
—                                                            Nicolle Sartori

Nenhum comentário: